dez 27, 2015 Blog UNIJr-BA 0 comment

Os Desafios da Liderança na UNIJr-BA

O ano de 2015 têm sido bastante significativo para a UNIJr-BA e de muitas conquistas alcançadas!  Estamos mais unidos e mais fortes e com nosso potencial reconhecido no MEJ nacional e na sociedade. Mas, para fazer a federação crescer e atingir resultados é fundamental o papel de lideranças que “vestem a camisa”, trabalham pelo sucesso e são comprometidos pela causa. São eles que executam e garantem a efetividade das ações em prol do MEJ baiano.

Desse modo, Bruna Miranda (Diretora Vice-Presidente) conta o que vem aprendendo ao longo desse ano enquanto liderança da federação: “Ser uma liderança na federação é saber que você é responsável pelo desenvolvimento não só de muitas pessoas, mas de empresas diversas e de uma rede. É ter que trabalhar com uma diversidade de coletivo para potencializar o crescimento individual. O maior aprendizado de todos é saber que cada atitude sua pode impactar e fazer a diferença na historia do movimento!”. Desirèe Almeida (Diretora de Eventos) também expressou sobre sua experiência e o que é liderar o MEJ baiano em sua opinião: “É acreditar em uma causa grandiosa e no quanto ela pode transformar a vida das pessoas. É, também, trabalhar incessantemente, para e por empresas juniores, contribuindo em seus impactos diretos na sociedade. E, é claro, UNIR todos os esforços, PARA CRESCER esse movimento”.

Além disso, assumir essa responsabilidade permite potencializar habilidades, encarar desafios inimagináveis e passar por experiências únicas. Como mostra Rodrigo Salles (Diretor Presidente) ao relatar sua historia a frente da federação: “Ao longo da trajetória que tive na EJ até me tornar diretor, sempre considerava que as responsabilidades eram enormes e que seria muito difícil ter uma experiência mais intensa no MEJ ou fora dele. Estava errado, não só em relação à responsabilidade, mas, sobretudo sobre o fato de vivenciar uma experiência ainda mais intensa, de ser liderança de um movimento. Ter sido diretor da federação por dois anos foi um marco na minha vida, e este ano, em especial, posso dizer sem duvida alguma que foi o mais intenso, desafiador e apaixonante da minha vida até agora. Ver, instantaneamente, o resultado do seu trabalho impactando a realidade de centenas de empresários juniores é algo que deixa qualquer um arrepiado, e que se torna um combustível para buscar legados ainda maiores para esse movimento”.

Sobretudo, é também trabalhar para construir um legado e fazer enxergar o valor da federação pelos empresários juniores como fala Ramon Laert (Diretor do Administrativo Financeiro) “Ser Diretor do Administrativo Financeiro da UNIJr-BA é ser representante do MEJ baiano, contribuindo no desenvolvimento de pessoas através da ajuda na continuidade da EJ’s da Bahia e na abrangência de seus impactos nos empresários juniores e sociedade.”

A consolidação do legado foi o foco desse ano, que gerou resultados expressivos como a volta da organização do ENEJ 17, o representante da UNIJr-BA  como presidente da Brasil Júnior e o prêmio de terceira melhor federação do país. Daniel Sousa (Diretor de Desenvolvimento e Expansão) conta como têm sido o trabalho desenvolvido ao longo desse ano e o que espera para 2016 “Para mim, enquanto Diretor de Desenvolvimento, ser liderança na UNIJr-BA é viver dia a dia o meu propósito. Saber que o no nosso trabalho faz com que as pessoas que estão no MEJ tenham uma vivência empresarial melhor e, para aquelas que ainda não estão, possam conhecê-lo e então ter uma educação mais empreendedora também é incrível. Mas não só isso, ser liderança na Federação é saber que, antes de nós, muitas pessoas desde 1999 já trabalharam para ver uma MEJ baiano mais forte, coeso e alinhado,  sendo capazes de obter grandes conquistas e construir legados que nos trouxeram até aqui. Espero continuar até o fim do ano trabalhando para termos mais e melhores empresas, levando o ideal do movimento para mais universitários de diferentes lugares da Bahia.  Em 2016, além de unir para crescer,  precisamos nos conectar mais para impulsionar os impactos do MEJ na nossa sociedade.”